terça-feira, 29 de julho de 2008

Elogios


Eu gosto de mim, de qualquer jeito, sem querer me expor nem calar sobre mim.O equilíbrio, entre seus milhares de conceitos, se faz entre a ausência da apressada necessidade de mostrar as virtudes e o orgulho, porque orgulho, muitas das vezes, protege. Ouvir elogios faz bem para o ego, mas faz mal quando se começa a relacionar conforto e descompromisso com troféu. Quando o homem ganha muitos troféus, cresce a tendência de ele parar de se esforçar, de ser o mesmo; e assim, sem ver, desce o nível do seu pódio. O elogio é alimentação de auto-estima e toda alimentação fortalece. Porém, esse tipo de alimentação é como a comida de todo dia, e por isso gera fezes também. Fazendo-se uma comparação, as fezes é o costume e a imobilização quando entra na audição o elogio. Mas apesar de todo elogio soar bem aos ouvidos, o olfato não se agrada. Quando alguém lhe falar bem da conduta, não admire muito a própria glória; todo mundo a tem. Senão o alimento logo, logo se torna fezes. Se não aprender a lição, da próxima vez agradeça e dê descarga, como se nada tivesse acontecido. O esgoto cuidará do seu atraso.


(Fábio Coelho)
(15.05.08)

2 comentários:

Walter Pureza Neto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
LunaJeannie disse...

metáforas perfeitas! =)