domingo, 28 de setembro de 2008

Na hora de enxugar


Depois do banho sempre se tem alguma recepção meio ou muito estranha, que parece vinda de algo natural, que sempre acalma. É uma idéia que se tem, mas não parece ser provocada pela própria mente, e sim pela soma das razões que se toma, reflexões e por último as reparações dos erros. É uma vontade de ficar quieto; e não mais fazer coisas que dão prazer momentâneo. Na verdade é vontade de viver um pouco mais do que se vive, e pronto. Pensa-se em cotidiano, na sorte de cada segundo e depois se quer corrigir algo que não foi feito ainda. Talvez seja pelo efeito de viver sempre a mesma coisa. É tendência de todo ser humano que não se move muito, apesar de muito andar. Mas não se sabe por que é sempre depois do banho. Na hora de enxugar o corpo.

Fábio Coelho (28.09.08)

Um comentário:

Caco disse...

Taí - gostei do que você escreve.
Gostei mesmo.
Abraçodaí.