sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

De Repente


Eu tenho a idéia mais genial do mundo,
Mas se demorar mais que um segundo
Tudo desaparece, e o que resta de herança.
É a dor de não ter boa lembrança.

Para ser um bom poeta
Basta ter um ingrediente.
Não adianta estudar muito
Nem pegar firme no batente.

Mas a receita não tem muito segredo
Sobre o qual só sabe aquele que
Desde cedo busca da raiva
E do medo mais uma pobre inspiração.

Volto da escola, meio pensativo,
Pensando, pensando em qual adjetivo
Darei ao ato de, mesmo estando vivo,
Não dar importância ao esforço produtivo.

Para essa produção não há laboratório,
Pois a pesquisa aqui é algo aleatório.
Ninguém tem culpa de saber rimar,
E a salvação do poeta é poder se expressar.


Fábio Coelho (07.03.08)

Um comentário:

LunaJeannie disse...

"ninguém tem culpa de saber rimar"

é verdade, a culpa não é sua!
binho que sabe brincar com as palavras...
;*