sábado, 11 de junho de 2011

O Coitado Sabido


Fico triste em saber que sei de muita coisa e que, a cada vez que as coisas se tornam sabidas por mim, a quantidade daquelas cujo sentido ainda não sei diminui. É tristeza fatal por ter veracidade. É como se o caminho de lições sobre a vida a ser percorrido pela minha ignorância estivesse me dando um Tchau em nível de Adeus!, taciturno e certo de que nunca mais voltará, e assim essa rua se dissipa, não existindo mais; isso é doloroso! Quando torno a adquirir um conhecimento -- da vida ou da ciência --, não vejo que algo foi apreendido, e sim que mais uma coisa não poderá mais ser descoberta. Olho, então, os dias de meu futuro com um tom de descrença (sei que isso parece pecado), desânimo e languidez, pois me vejo lá, no mais tarde, entidade conhecedora do tudo, em forma de computador excelente, sábio de todas as possibilidades ao redor da física, dos planetas e suas órbitas, da raiva, culinária, direito civil, idioma húngaro, budismo, aritmética, casamento, morte, mitologia grega e a combinação de todos os acordes musicais certos para chegar ao segredo do universo. Mas estarei inerte, pois esperto disso tudo, não terei direção aonde ir: tudo que poderá ser andado já terá sido andado, não vai mais existir uma área onde brincar, escorregar, cair e machucar o joelho. Por fim, o futuramente eu vai procurar uma atividade a ser feita, teoria a ser elaborada, mas “Não, amigo, acabou! Você não precisa existir mais”, o mundo nauseado de mim me dirá. Lembrarei das crianças, todas com sorrisos inocentes, inventando seus mundos, meninos sem querer saber de nada e por isso saudáveis, sem se esquentar com o outro dia que vai nascer. Viverei aquele momento, teso e seguro de mim, sem saber que ignorante é quem não admite sê-lo. Lembrarei o modo como eu olhava-as, por cima, desprezando sua sabedoria pura e insciente do não querer saber e me afastando com soberba de moço vivido, malicioso, que já aprendeu a lidar com os malvados e por isso se acha salvo de tudo. Ilusão, produto do engodo que a luz me dava. Agora volto ao presente e só saio na escuridão, com trauma do meu futuro entupido de verdades.

Fábio Campos Coelho (11.06.11)

2 comentários:

QuarterST disse...

Oi =) Tudo bem? *-*
Bora colar no show da @quarterock dia 18.06 em São Paulo?
Infos sobre o show:
18.06 - São Paulo/SP
TribeHouse - Av. Henrique Schaumman, 517
Com: Believe + Hydrogen (último show da banda) + Henova (encerramento da turnê) + NoCore
Flyer: http://twitpic.com/57x1v3

Beijos

Mari
@QuarterST

Ana Julia disse...

GENIAL.