quinta-feira, 7 de abril de 2011

Mesa de Jantar


Sentavam-se àquela maneira toda quarta-feira, efusivos no começo e cínicos no final, quando o mordomo vinha com ar de quem sempre quis ser parte daquilo, ter o mesmo sangue e a mesma ironia suntuosa.

O tio não falava com o sobrinho, porque este achava a tia gostosa e não escondia, de forma alguma. Tio e sobrinho se sentavam um do lado do outro, e, por essa proximidade física, o tio abria o braço o menos possível para não encostar no braço do sobrinho. Era o primeiro a sair, com pressa de quem vai olhar as estrelas.

A irmã nunca acudia aos pedidos do irmão, para que ela lhe passasse o queijo e o feijão. Nesse dia o irmão solicitou à irmã o de sempre, ela recusou e então ele mesmo se levantou sem sair do lugar para pegar o queijo. Bateu o cotovelo na cara do tio, o tio deu um miado de gato apaixonado, e a tia saiu de modo esotérico e medroso para ver as estrelas.

O tio viu a esposa sair, deu um beijo no nariz do sobrinho, puxou o catarro para a boca e o cuspiu na cara da avó. A avó, com seus 65 esbeltos e tolos, passou por debaixo da mesa o pudim para o filho do tio que era diabético.

A mãe e o pai, vendo o filho comer o pudim misturado com a batata para disfarçar, colocaram um LP de Arrigo Barnabé, no máximo volume, chamaram o mordomo, passaram-lhe o código do cofre e foram viajar pela América Latina, impassíveis.


Fábio Campos Coelho (05/02/2011)

2 comentários:

Inia disse...

Interessante supor as motivações que te levaram a escrever sobre este jantar de família. Será este o quadro que pintas da tua família? E tu, onde te sentas nessa mesa?

Adê Oliveira disse...

De próximo blog em próximo blog, cheguei aqui... achei curiosa a forma como vc vê/lê o mundo, ficarei por aqui a segui-lo e matar aos poucos minha curiosidade...