segunda-feira, 19 de julho de 2010

Contraste da Saudade

No desenrolar da vida, o homem é munido de diversos sentimentos que o envolvem e o entretêm e o fazem ir além do cotidiano e do comum asqueroso e tediante. Os sentimentos são o combustível para a vida, e a variedade deles são a prova de tal gasolina vital.
O escritor, porém, não veio a esta folha discorrer sobre essa variedade, mas sim, sobre um apenas sentimento; aquele que esmaga o coração, denotando a crueldade ímpia da distância e, concomitantemente, dizendo-lhe como se manifesta a vontade necessária de continuar a vida; aquele que se mostra prazeroso e pungente no mesmo instante. Os maiores sofredores e salvos (explico esse último adjetivo no final, não se preocupe!), se são mesmo astutos, já devem ter indicado a que o escritor se refere: à saudade.
Quando a pessoa benquista está ausente, a sua lembrança está presente: é aí que desponta a antítese da saudade. A falta de alguém provoca a tristeza e a alegria, havendo um ressarcimento inaudito entre o positivo e o negativo, que passa insondável por aquele que tem sempre o passarinho no seu ninho.
A tristeza vem ao âmago pela ausência da pessoa amada, vindo a alegria posteriormente, chamar a atenção do sofredor para o fato de que existe uma pessoa na sua vida que o faz sentir um rebuliço no peito, um tropel, onde as dores da ausência combatem com o desejo da presença, suscitando no coitado-aliviado um suspiro de ledice por saber que alguém lhe espera na mesma ocasião espiritual – ávido e persistente, como persiste o amor.
É contundente, realmente, a saudade, mas oferece a riqueza de oferecer uma recompensa sem preço: quanto maior o tempo sem se ver, mais apertado será o abraço na hora do reencontro. Por isso a saudade é assim valorizada, porque assim valoriza o amor. Só sentindo a saudade, percebe-se o ponto de encontro entre a agonia e o regalo; sendo, em verdade, coitado aquele que nunca sentiu a falta de sua pérola, e aliviado, quem já teve saudade e pôde sentir a dor que o faz vivo, matando o vazio cheio de vontade, depois do falado abraço caprichado.


Fábio Campos Coelho (18.07.10)

2 comentários:

Melissa S. disse...

cada dia que se passa
vc me encanta e me emociona mais!
nada no mundo compensa mais do que a felicidade que é ter voce na minha vida! eu aaaaaaaaaamo voce =)

LunaJeannie disse...

caralho jorzinho, vc é o cara! pirei. muito lindo! muito bem escrito, cada detalhe... parabéns.
eu amo suas prosas mesmo, hsuahda
:)