terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Sem Ajuda da Lua


Sempre vai existir na madrugada
uma aflição que pesa a consciência,
porque você lembrou que no último encontro
não disse ao menos uma palavra extrovertida
que pudesse provar pureza e espontaneidade.

Sempre vai existir na madrugada
a vontade de ser bonito, ou carismático,
como o personagem da foto do álbum que você está a olhar,
um modelo constantemente bonito,
que tem a leveza exposta na pose à vontade,
todos os dentes no lugar e o sorriso invejável.

Sempre vai existir na madrugada
a latente vontade de ser o melhor do mundo em alguma coisa,
qualquer coisa, não importa o algo.
O que importa é ter a gorda consciência da pujança,
de que pelo menos, depois da morte,
você será lembrado e enaltecido por ter sido o melhor um dia,
mesmo sabendo que o melhor aluno é o mais burro de todos:
só tira dez, e assim não há como evoluir mais.

Sempre vai existir na madrugada
a vontade de ler a carta penitente da pessoa amada
mas por cima da vontade reside o orgulho,
proteção contraditória em si,
pois impede o amador de perceber
que o passado é casca de banana
e o agora, a semente do que já esteve em plena floração.

Sempre vai existir na madrugada
uma lembrança do primo do interior
o famoso primo sumido, o que nunca ia separar de você
e você ainda tem o telefone dele na agenda,
mas não há por que ligar.
Ele vai ficar pensando por que você ligou,
como se o maluco não fosse ele.
E então, o que dizer?

Sempre vai existir na madrugada
a vontade de rimar, de fazer uma rima universal
onde tudo se combine, com virtuosa exatidão,
uma exatidão que provoque conforto
e impressão de que agora o travesseiro
espera por você, com justiça e satisfação,
como se deixar de cumprimentar um amigo íntimo
apertando-lhe as mãos fosse erro irreversível.

Sempre vai existir na madrugada
uma sensibilidade misteriosamente estrangeira,
rica para os poetas e filósofos
e ridícula para os que dormem,
sonhando que existe alguma coisa na madrugada
mas continuam treinando a morte desde cedo.

Fábio Campos Coelho (16/12/09)

4 comentários:

Maurício Campos disse...

Taí, o poema-título pro seu livro. Pense com carinho nisso.

Jaqueline Lima disse...

Estive aqui com prazer :)Meu blog está de volta horaderetomar.blogspot.com

Polly disse...

Cade o seu livro? to esperando!!!
saudade grande Binho!

Marcia Freddy. disse...

A convite do escritor Gustavo, venho prestigiar esse maravilhoso espaço!

Parabêns!!

- Seus textos são belíssimos!! - Honestamente!

Uma super beijo!

Sucesso sempre!!